BLOG DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA
Acompanhe-nos:

Translate

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Modelos animais: qual a posição dos imunologistas?

Colegas,

imagino que todos tem acompanhado, com mais ou menos intensidade, a crescente discussão sobre a utilização de animais em experimentos científicos.

As discussões aqui na minha instituição andam efervescentes, contudo infrutíferas - o radicalismo da ala de oposição ao uso de animais infelizmente não colabora com o processo. Neste contexto, fico em dúvida se devo insistir em meu papel de educador e tentar novas abordagens explanativas sobre o tema, ou se também devo radicalizar, como já discutido aqui bem no início do blog (Abril de 2010).

A Imunologia é uma ciência com forte tintura de modelos experimentais, apesar dos esforços consideráveis para migrarmos gradualmente para os modelos computacionais. Contudo, acredito que existam imunologistas que não sejam favoráveis ao uso de animais e possuam argumentos fortes a seu favor.

Neste sentido, proponho que tracemos um perfil da nossa comunidade... gostaria que respondessem diretamente a enquete que está aí do lado direito do blog (abaixo do contato por email e acima dos nomes dos colaboradores):

 "Você é a favor de experimentação com animais?"

Para que não achem que estou em cima do muro, gostaria de declarar que sou favorável ao uso de animais. De forma mais abrangente, faço das palavras da Theolis Bessa (no primeiro post indicado acima) as minhas:

"

  1. É preciso ressaltar que têm-se buscado a melhoria dos modelos sem o emprego de animais, bem como a formação de comitês mais escrupulosos de ética no uso de animais e a obrigatoriedade de cálculo de tamanho amostral necessário para os ensaios com os mesmos. Os cientistas não estão "insensíveis" ao sofrimento dos animais, e devemos parte disso aos movimentos ativistas contra o uso dos animais em pesquisa. Uma solução equilibrada e racional é (como de costume) a via a ser buscada para esse problema.

"



A enquete terá duração de 30 dias. No meu próximo post, apresento a análise dos resultados e novas abordagens sobre o tema.

Para que o debate seja enriquecido, por favor, utilizem os espaços para comentários - sejam eles favoráveis ou não!


Comente com o Facebook :

6 comentários:

  1. Abandonar o modelo animal é fingir que a nossa espécie entende toda a complexidade envolvida em todos os processos na vida. Precisamos ser mais sinceros sobre a nossa ignorancia...

    ResponderExcluir
  2. Tiago, excelente a discussão que você levantou.
    Eu compartilho da mesma opinião que você e a Theolis possuem. Acho essencial e extremamente rico o uso de modelos animais, mas acredito que isso não deva ser feito de forma esbanjada, mas sim de forma contida. Nunca sou a favor dos extremos.

    MANUELA SALES - IBA FMRP

    ResponderExcluir
  3. Utilizo modelos animais, e por isso sei que são necessários, principalmente em nossa área. Porém não sou a favor. Sempre que houver alternativa que não exija o uso de animais, ou que possa reduzir o uso dos mesmos, opto por ela. Creio que além de comitês de ética imparciais e sensatos para avaliar a necessidade do uso de animais na experimentação, cabe também ao pesquisador avaliar meticulosamente se o uso daquele modelo animal é ideal para reproduzir o fenômeno observado em humanos (ou outra espécie de interesse), e se o uso deste modelo vai de fato responder suas perguntas.
    Diego Costa - USP - Ribeirão Preto

    ResponderExcluir
  4. Luiz Gustavo Gardinassi FMRP-IBA23 de maio de 2012 15:54

    Concordo com o uso de animais, mas como o próprio Diego falou, temos de estar atentos ao que buscamos com os resultados, principalmente quando os mesmos são extrapolados para nossa espécie. Sem o modelo animal, não é possível visualizar como ocorrem muito processos biológicos, e por mais que possamos predizer alguns resultados utilizando métodos in silico, se não houver a confirmação in vivo, a confiabilidade do resultado pode não ser a mesma.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Camundongos não são pessoas, como dizem alguns pseudocientistas. Porem, sem os múltiples estudos em modelos animais que suportam nosso entendimento atual de alguns fenômenos fisiológicos em mamíferos, ou que permitiram detectar o efeito nocivo de muitos medicamentos, onde estaríamos? Acredito que não teria sido criada estratégia in silico alguma. Os opositores à pesquisa em animais se oferecem para receber uma dose de uma substancia para verificar se induz toxicidade? A pesquisa em animais é vital para nossa espécie.

    ResponderExcluir

©SBI Sociedade Brasileira de Imunologia. Desenvolvido por: