BLOG DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA
Acompanhe-nos:

Translate

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Falecimento do Professor Lenzi

É com pesar que informamos que o eminente cientista Professor Doutor Henrique Leonel Lenzi faleceu na data de hoje. A Sociedade Brasileira de Imunologia lamenta a inestimável perda para a ciência brasileira e envia sinceros votos de pesar aos seus familiares.

Médico patologista, Lenzi atuava no Laboratório de Patologia do IOC desde 1984. Entre 1986 e 1989, dirigiu a então Superintendência de Informação Técnico Científica da Fiocruz e, entre 1990 e 1991, foi vice-presidente de Pesquisa da Fundação. O pesquisador possui dezenas de artigos científicos publicados, com especial ênfase em esquistossomose e técnicas de microscopia. Formou dezenas de estudantes, em diversos níveis.

Com informações do Centro de Pesquisas René Rachou.



Comente com o Facebook :

14 comentários:

  1. Meu caro Roque e prezados amigos da Imunologia e Ciência do Brasil, esta triste notícia chega e deixa um vazio em nossas vidas.

    Para quem conhecia o prof. Henrique Lenzi sabia da facilidade enorme de fazer novos amigos e se emocionar a cada tema discutido. Chorar de emoção com conversas simples na mesa de um bar ou num café.

    As suas palestras eram verdadeiras aulas; me lembro que quando as mesmas acabavam, inúmeros estudantes o seguiam. Um verdadeiro Maomé da ciência.

    O prof. Lenzi distribuia livros para todos. A última vez que o encontrei foi há 2 anos, quando fui pegá-lo no aeroporto com três ou quatro malas pesadíssimas! o que elas tinham? Claro, livros de toda a espécie que foram adquiridos após uma viagem rápida ao Chile com sua esposa Jane. Apenas uma pequena bagagem de mão era de roupas. Em nosso Simpósio Sul de Imuno, ele falou por 4 horas sem parar! Foram 4 horas fantásticas para todos nós.

    Nunca me esquecerei das conversas cultas, enriquecedoras em Ribeirão e Florianópolis com esse ser humano que era incrível.

    Um forte abraço onde quer que o Sr. esteja professor.

    A. Báfica

    ResponderExcluir
  2. leda quercia vieira15 de setembro de 2011 20:50

    O Prof. Lenzi vai deixar muitas saudades. Também sou grande admiradora de sua cultura, sapiência e delicadeza. Ficará um enorme vazio.

    Leda Quercia Vieira
    Depto Bioquímica e Imunologia
    ICB - UFMG

    ResponderExcluir
  3. Uma grande perda o passamento de Henrique Lenzi. Erudito como poucos e um entusiasta da ciência.
    Sentiremos muito a sua falta!

    ResponderExcluir
  4. Lenzi era um homem culto, estudioso gentil e curioso. Ele adorava ler, tudo... É dessas figuras que deixam uma lacuna difícil de preencher. Foi um prazer e uma honra ser colega, amigo e parceiro de Lenzi em tantas ocasiões e trabalhos.

    ResponderExcluir
  5. Grande perda não só para a ciência, mas também para o relacionamento pessoal. Lenzi era uma pessoa gentil e com enorme carinho com todos, homem de educação refinada e com uma admirável cultura. Fruto das nossas grandes escolas de patologistas. Para aqueles que o conheciam antes do “power point”, ainda nos tempos dos slides, ficará a saudade das apresentações intermináveis com 10 carrosséis lotados de “diapositivos” com apresentações do seu “granuloma” intercalados com obras de arte. Realmente um ser humano singular.

    ResponderExcluir
  6. Dr. Lenzi era um homem exemplar. Simples, objetivo em suas palavras e com um dom ao ensino. Sempre emanava conhecimentos aos seus colegas e estudantes. Tive o prazer de conviver com Dr. Lenzi por longos meses na Casa Amarela, na Fundação Oswaldo Cruz, durante o meu doutorado. Nossas conversas sempre assumia uma mescla de ciência e cultura, o que era encantador. Suas lembranças estão contidas em nossas fotos e num livro que fui presenteado por ele de Ernst Mayr "Biologia: ciência única". Fique com Deus Dr. Lenzi, fique em paz.
    Eduardo Henrique Gomes Rodrigues
    Pesquisador Visitante Fiocruz
    Recife - PE

    ResponderExcluir
  7. Grande perda é o sentimento que todos nós estamos experimentando...Lenzi era a síntese da tal "conversa com quem gosta de ensinar" e aprender....algo raro hoje em dia, principalmente porque imperam as aulas impessoais e pasteurizadas pelos “power points” da vida, ministradas pelos muitos que não gostam de ensinar.
    Mesmo próximo de sua morte, ele ainda vislumbrava oportunidades para aprender e ensinar, como na mensagem enviada por ele a uma amiga em julho de 2011, cuja cópia está abaixo descrita:
    "Amanhã serei re-internado para aprender imunologia e hematologia de transplante autólogo de medula óssea. Será uma aula ótima prática, Pena que serei eu a cobaia. Agora compreendo a revolta dos camundongos e espero que os professores tenham sucesso com esta äula"(fase final do tratamento)".
    Aquela mensagem enviada pelo Lenzi veio acompanhada por um texto de Rubem Alves, que vale a pena ser refletido por nós.

    O tempo e as jabuticabas
    'Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver 
daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela 
menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela 
chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
 Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.
 Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos.
 Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.
 Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir
 estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.
 Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões
 de 'confrontação', onde 'tiramos fatos a limpo'. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo 
majestoso cargo de secretário geral do coral.
 Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: 'as pessoas 
não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a 
essência, minha alma tem pressa...Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta
com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não 
foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, 
e deseja tão somente andar ao lado do que é justo.
 Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.'
    O essencial faz a vida valer a pena.

    Rubem Alves

    ResponderExcluir
  8. Para isso fomos feitos:
    Para lembrar e ser lembrados
    Para chorar e fazer chorar
    Para enterrar os nossos mortos —
    Por isso temos braços longos para os adeuses
    Mãos para colher o que foi dado
    Dedos para cavar a terra.
    Assim será nossa vida:

    Uma tarde sempre a esquecer
    Uma estrela a se apagar na treva .......

    (Assim disse Vinicius de Morais)

    Nosso querido e admirado amigo foi uma estrela que se apagou nas trevas. Tomara que faca boa companhia para os anjos em outro plano como nos fez aqui na terra. Teremos saudades ...

    Ana Maria Coimbra Gaspar

    ResponderExcluir
  9. Conheci poucas pessoas como o Prof. Lenzi. Sua paixão pela ciência era algo encantador. Sua delicadeza no trato com todos apaixonate. Ele foi exemplo para todos aqueles que cruzaram seu caminho. Sinto com muito pesar seu falecimento. Fará muita falta no nosso meio.

    Janeusa T Souto
    UFRN - Natal - RN

    ResponderExcluir
  10. Uma grande perda para todos nós. Eu tive o enorme prazer de contar com a presença do Dr. Lenzi em minha defesa de doutorado. Um ser humano especial em todos os sentidos, insubstituível, de alma sensível e grande coração.
    Foi para todos nós o grande professor da arte de viver....
    Meus sentimentos à família e amigos próximos.

    David Nascimento Silva Teixeira

    ResponderExcluir
  11. Henrique Lenzi

    De tempos em tempos, quando o grau de confiança no ser humano atinge níveis críticos, a Humanidade recebe provas de que ainda é possível manter a crença. Desta vez, a prova veio com o nome de Henrique Lenzi.
    Henrique Lenzi foi muitos: o cientista visionário, o mestre inspirado, o pensador ousado, o líder carismático e, acima de tudo, foi um ser humano de tão alta culminância que tornava impossível continuarmos os mesmos depois de conhecê-lo, sem que por ele fôssemos cativados e transformados. Cativáva-nos com sua erudição e com sua brilhante inteligência; com sua alegria espontânea e seu riso escancarado; com a completa igualdade com que tratava os poderosos e os humildes; com sua simplicidade e humildade, características dos verdadeiramente sábios; com o carinho e genuíno interesse que mostrava por todos; com a profunda generosidade com que doava seu tempo, seu conhecimento, suas idéias e sua experiência; com o calor do afeto que impregnava todos os seus atos; com sua capacidade de descobrir o lado bom de cada pessoa; com sua teimosia em continuar acreditando, quando tudo parecia perdido; com a intransigência e coragem com que defendia o que é certo e verdadeiro, apesar de saber o custo de fazê-lo; com sua incapacidade de se sentir maior que os demais; com a incrível força com que reagia aos embates da vida; com a autenticidade com que vivia seus ideais; com sua capacidade de manter a integridade e a honradez em qualquer circunstância; com sua inabalável fé no potencial de crescimento do ser humano.
    Por sua capacidade de transformar as pessoas que com ele conviviam Henrique Lenzi foi um revolucionário. Sua principal arma na revolução silenciosa em que se empenhou durante sua existência foi o exemplo de sua conduta. Era assim que ele conseguia resgatar os valores mais sublimes que jazem escondidos em cada ser humano.
    Jamais entenderemos os mistérios de sua partida precoce, quando ainda tanto havia para realizar. A nos confortar temos a convicção de que ele permanece imortalizado em cada um daqueles que tiveram o privilégio de conhecê-lo e receber o influxo de afeto e de sabedoria que dele sempre emanava. Com seu exemplo de vida, Henrique Lenzi conseguiu resgatar nossa esperança no ser humano e no futuro da Humanidade.
    Que agora, habitante da pátria onde a Luz não deixa sombras, possa Henrique Lenzi continuar a nos inspirar e a nos ajudar a achar o sentido em nossas vidas.

    Brasília, 17 de setembro de 2011
    Eduardo Tosta

    ResponderExcluir
  12. Juliano Bordignon - ICC/Fiocruz19 de setembro de 2011 10:35

    Tive o prazer de conhecê-lo em Florianópolis, no Simpósio de Imuno em 2009, uma grande pessoa, gentil, culta, interessada em ajudar, com grande inteligência que nos brindou com uma grande palestra de encerramento. Vai deixar uma enorme saudade!

    ResponderExcluir
  13. Não há como descrever o que ele significou pra todos nós, não há como descrever o exemplo que se tornou para todos nós, não há como descrever a falta que fará em todos nós...
    Com toda certeza meu exemplo, não só pelo grande pesquisador, mas pelas longas e agradáveis conversas, os passeios (mesmo com a agenda cheia de experimentos), por fazer de uma defesa de mestrado ou doutorado um evento que ia muito além da ciência!
    Pra sempre em nossos corações!
    Benedito Neto - Goiânia UFG

    ResponderExcluir
  14. Tenho mencionado seu nome e tudo que aprendi com ele, aos alunos que passam na Parasitologia, em estágio de residencia médica, no laboratório no Instituto de Infectologia Emilio Ribas. Convidado pelo Dr Cimerman, pude ouvir sua palestra, em nosso anfiteatro, por volta do ano de 2002. Paseou pelo hospital e se emocionou ao passar pela UTI, lembrando do seu tempo de residencia médica. Foi esta única oportunidade de ouvi-lo e de me impressionar com a sabedoria de quem se dedicou com paixão à Parasitologia, ou melhor,á Parasitologia Pura,como pesquisador de carreira. A principio, me impressionei alarmada, quando disse que rasgaria todos os livros de Parasitologia e os reescreveria todos; mudaria tudo , a começar pelo nome, que trocaria,no mínimo, por algo como COHABITOLOGIA; isto porque acreditava que nenhum Trypanossoma cruzi poderia ser responsável por tantos danos no Mal de Chagas , por exemplo. Não o parasito, mas sim os transposons que ele carreia, assim como acontece com os outros parasitos também. Nós, que somos da Parasitologia Clínica, estamos interessados no diagnóstico e tratamento das principais doenças parasitárias, conforme os padrões pré estabelecidos e nem imaginamos esta parasitologia pura que acontece nos centros de pesquisa, como o da Fiocruz. Ele nos levou a uma "viagem " ampla e maravilhosa pela ciencia pura. Nos fará muita falta, com certeza! Agradeço a Deus por este privilégio de conhece-lo, mesmo por tempo tão curto!

    Wilma Assunção Iuliano.
    Chefe do Setor de Parasitologia - IIER. SP

    ResponderExcluir

©SBI Sociedade Brasileira de Imunologia. Desenvolvido por: