BLOG DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA
Acompanhe-nos:

Translate

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Elegância



Nov 6. Na minha cabeça de menino, o Japão era a terra do National Kid, de Godzilla, dos terremotos, e das ondas gigantes que eu via na TV. Mais tarde descobri que o Japão era isso e muito mais O Japão é a terra da beleza, da delicadeza, e da elegância. 

A primeira vez foi em 88.  Acordei e da cama e ao esticar o braço bati na parede. Pobreza. Comia curry com arroz na estação, porque era mais barato. Fui pra Kyoto pro congresso mundial de endocrinologia, falar dos primeiros bichos que tinha feito. Do meeting não me lembro muito. Lembro dum calor federal. Lembro de ver o agora imperador Akihito e sua mulher, na recepção do congresso. Recepção na qual também vi médicos brasileiros jogando moeda pra engasgar os peixes ornamentais. Lance só suplantado em elegância  pelo berro de um compatriota, reverberando nas paredes dos Invalides em Paris: não te disse que aquele filho da puta do Napoleão tava enterrado aqui?

Que mais lembro? Lembro de pachinko, das lojas de jogo, das grandes lojas onde podíamos comprar tudo, até um mini saxofone elétrico que comprei e que nunca aprendi a tocar. Só encher o saco das minhas filhas. E de comprar uns pratos bonitos. Lembro de voltar e ir comer num grego. E me sentir um porco ocidental. E de trabalhar como um mouro pra escrever minha tese de doutorado em um mês.

Depois em 2002, aí feito bacana, como convidado, pra falar na Sociedade Japonesa de Imunologia. Foi em Tóquio em Shinjuku. Muito tratamento.  Depois fiz uma pequena tour, falando, vendo. Kyoto, onde vi outra vez os templos e fui levado para jantar num buraco na parede onde me serviram a comida mais fantástica da vida: Kaiseki.  

Dessa vez, em Tóquio, a primeira descoberta foi uma sopa de cogumelos. Calma aí. É outono. Uma sopa com aqueles espaguetes calibrados, udon. Maravilha, maravilha. Andamos por Ginza, e fomos a Tsukiji, o grande mercado de peixes, que não aceita mais turista. Turista só às 9. E eram cinco e meia. Fomos comer um sushi de café da manhã ali perto, e de lá fomos ate Asakusa, ver o grande templo. Pegamos um metro pra o Meiji shrine que é um dos lugares que eu mais gosto em Tóquio, e vimos as crianças mais lindas, vestidas de kimono, festejando  os aniversários de 7-5-3 anos de vida (mês que vem boto um link pras fotos. Tirei 6 mil dessa vez, umas duas vão prestar).

Esta viagem foi uma mistura de férias e alguns talks. Depois de Tóquio, Gláucia e eu fomos pra Kanazawa, que fica na costa oeste. Naofumi Mukaida, diretor do instituto do câncer da Universidade de Kanazawa, foi nos pegar no aeroporto. Acordamos chumbados, tomamos um café no hotel e estamos até hoje pagando a conta. Pior não foi isso. Chovia. Chovia e eu pensava, que merda. Fomos passear assim mesmo, na chuva, no Kenrokuen, um dos 3 jardins mais bonitos do Japão.

Mukaida veio nos pegar às 3 e fomos lá pro instituto dele. Ele nos levou a uma sala grande da diretoria e nos serviu um chá verde. Ai veio um assistant professor dele (mais sobre a vida acadêmica japonesa abaixo) e mostrou seu trabalho. Interessante, tinha que ver com o papel de CCR2 no controle do influxo das células dendríticas no timo. Bom, aí veio o talk.  Fomos jantar num lugar legal, e lá pelas tantas, depois do saquê, a baba escorria e eu estava semi comatoso. No dia seguinte, acordei como um Apolo (acho que foi o cogumelo com o saquê), e fomos passear pela cidade. Entramos no mercado onde vimos mais cogumelos e uns caranguejos gigantes. Vimos caranguejo a 200 dólares. Sério. Fomos em direção ao museu de arte moderna e no caminho, batemos, puro instinto, num shrine. Ah, lá tinha mais criança no 7-5-3, e em determinado momento descobrimos um jardim graças a um japonês que insistia em nos apontar o lugar. Caraca. O lugar era lindíssimo, dessas coisas de cair o queixo. Fomos pro museu que foi meio decepcionante, exceto que tinha uma instalação no meio de um pátio. Uma sala de vidro no centro, com um microfone. Do lado de fora uma guarda chuva aberto que rodava, e uma bacia de água com uma mangueira dentro. Pra ativar a "arte" você tinha que falar no microfone. Veio uma japonesa, gritou e nada. Cantou e nada. Depois veio um grupo de meninos e um sussurrou, o guarda chuva rodou, rodou e a mangueira bateu desesperada dentro da bacia. Eu fiquei olhando ali, besta. Demos uma volta, vimos outras leseiras mais e ao sair me deu vontade de ser artista. E resolvi testar se a arte era universal, se entendia português e tal. Não tive dúvida. Fui lá e disse bem quietinho no microfone: bundinha. Um delírio, "a arte" alucinou

Nov 14. Em Osaka, demoramos feito baratas jetlegadas para encontrar o hotel que ficava em cima da Namba station. Deixamos as malas lá e saímos em direção a Koyasan, na montanha. Chegamos ao nosso destino por volta das 3, um mosteiro budista, perto de uma das grandes atrações de Koyasan, Okunoin, um mausoléu enorme numa floresta de ciprestes altíssimos. Caminhamos na chuva, maravilhados. Voltamos ao mosteiro às 4 e meia, tomamos um banho quente, vestimos nossos quimonos e os monges nos serviram um jantar vegetariano, maravilhoso. No outro dia de manhã, acordamos às seis e fomos ver um ritual budista, 40 minutos de incenso, com direito a gongo, cantoria, e uma profunda paz. Saímos pra passear e ver templo, jardins, etc. Vimos o Kongobuji onde está o maior jardim de pedras do Japão. Vimos as cores mais lindas, as maple trees incendiando o azul do céu de vermelho, as ginko trees de amarelo. Um negócio lindíssimo. Toda Koyasan é patrimônio da humanidade, esta completando 1200 anos de existência. Voltamos pra Osaka, contraste maior impossível. O hotel era muito bom, 32o andar, dava pra ver a cidade se estendendo sem fim. Osamu Yoshie, veio nos encontrar. Osamu descobriu muitas quimiocinas, incluindo aí CCL21, CCL20, CCL28, receptores, o escambau. E escreveu com Albert Zlotnik, a famosa revisão na Immunity (que repetiram esse ano), onde propunham a atual nomenclatura das quimiocinas que nos livrou pra sempre de IP-10, MIG, MCP, RANTES e outras leseiras mais.

Saímos pra jantar lá perto. No pequeno trajeto, uma outra observação. A cidade tem um edge diferente, é também enorme. Tokyo-Yokohama e Osaka-Kobe, são megacities sendo que Tóquio ganha, é a maior cidade do mundo. No dia seguinte saímos cedo pra Nara. Embaixo de chuva. Vimos o grande Buda, o Kasuga shrine lindíssimo, com suas mil lanternas de pedra e bronze, e Narimachi, onde almoçamos num lugar muito tranquilo e fomos atendidos da maneira mais gentil. Sem duvida, o melhor lugar para turismo é o Japão. Não existe serviço melhor no mundo.  Ponto. Voltamos a Osaka e pegamos os ônibus para Tokushima. Yousuke Takahama veio nos pegar. Yousuke é meu colaborador e trabalha no timo. Conheci dois professores que trabalham no departamento  dele. Depois dei meu seminário e fomos jantar e ele nos apresentou a um troço chamado Chouchou, um drink. Fiquei muito fã não.  Falamos de ciência no Japão. Carreiras. Aqui todo mundo tem salário pago pelo governo, não vem da grant. Depois do postdoc você passa pra assistant e depois pra associate professor debaixo de um lord shogun. Mais tarde, quando alguém muda de cidade, ou morre, abre vaga e você pode então mudar, virar professor, e aí então ter sua linha própria de pesquisa. Meio brutal, não acham?  Yousuke toca baixo e tem uma banda chamada, pra variar, Negative selection. Tocou em Kobe no congresso internacional. Ele me mostrou uns resultados interessantes com um cre knockin em células epiteliais do córtex.  Os caras que são professores independentes também mostraram muita coisa interessante. Um descobriu que uma mutação em Tyk2 causa hyper IgE syndrome. O outro trabalhou com Honjo, muito bom mesmo. Ele nos deu uma recomendação de um restaurante kaiseki em Kyoto, pra onde fomos a seguir...

Mas isso fica pro próximo post.

PS. Daniel Mucida, Bernardo, Fred, Gláucia e eu fomos  anteontem ao Carnegie Hall ver o nosso príncipe do samba (samba é uma palavra meio japa). A elegância no título desse post é Japão e é Paulinho. Sumário de um mês de sonho. Viva o Japão, viva Paulinho da Viola!

Comente com o Facebook :

5 comentários:

  1. Bah, eu sabia que este post seria o máximo... e 100% agree Paulinho rules! bjs

    ResponderExcluir
  2. Grande Sergio! Concordo totalmente com suas impressoes sobre o show otimo e o Japao. Apenas tive mais sorte sobre o mercadao de peixes, quando consegui visita-lo na otima companhia do Basso e do Francisco Quintana, as 6 da manha, depois de dormir numa capsula-hotel (afinal la eh caro e nao estavamos com a mordomia toda :-)
    Abraco!

    ResponderExcluir
  3. Ah Cris, foi bom mesmo. Ferias e show. E vejo que voce, Fred, eu, (e o resto do Brasil), amamos Paulinho.

    ResponderExcluir
  4. Dr Sergio, fiquei curioso para ver as 6 mil fotos. Acredito que muito mais do que duas vão prestar (rs).

    ResponderExcluir
  5. Opa Walter, espero que sim...abracos

    ResponderExcluir

©SBI Sociedade Brasileira de Imunologia. Desenvolvido por: