BLOG DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA
Acompanhe-nos:

Translate

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Ferramenta do bem


Então. Tetrâmeros.

Mais uma vez venho enfrentar o frio cruel de Minneapolis, porque quero aprender a trabalhar direito com essas coisas, e, pra mim, ninguém faz isso melhor que o Marc Jenkins, um de meus eternos mentores.

Quando falei para algumas pessoas o que eu vinha fazer aqui, teve gente que me falou – mas não é só corar com essa coisa? Que nem anticorpo?

Bah gente, não é. Primeiro, que a tecnologia de fazer o tetrâmero ainda não está completamente dominada. Sempre fiquei encanada que, pro LCMV, o tetrâmero do gp33 pra T CD8 que vem de graça do NIH (O NIH te dá de graça os tetrâmeros que eles fazem – veja no site deles) não coram legal como um que se compra comercial.  Agora entendi que isso depende inclusive dos reagentes usados pra fazer a tetramerização. O Marc juntou um grupo de garotos sensacionais obcecados com controle de qualidade e otimização e os meninos testaram TUDO que é necessário pra fazer primeiro o monômero, e depois tetramerizar. Aprendi horrores em uma semana.

Então começa quando se planeja a confecção do monômero. Tem que fazer de um jeito que o peptídeo fique bem presinho na hora do pareamento da cadeia alfa com a beta do classe II, e isso tem que ser planejado na clonagem. Depois a biotinilação tem que ser eficaz. Se isso for legal, e teu reagente de tetramerização e fluorocromo for bom, o tetrâmero sai lindo, forte, arretado.

Como esses reagentes são pra eventos raros, na hora da citometria, tem que ser muuuuuito preciosista pra não ter coloração falsa. Isso é critico pra você ter uma estimativa real da freqüência dessas células T especificas. E tem limites pra o que vc pode fazer e como trabalhar – pensa bem vc ta dando um super sinal pelo TCR pras células T – elas podem morrer enquanto vc cora.

Tetrâmeros são do bem porque vc diminui o uso de animais – olha a polemica da semana. O bicho TCR transgênico retrocruzado no RAG fica doente, é chato de manter, aqui custa uma fortuna manter, no Brasil é quase impossivel. Com tetrâmero, vc elimina ter que criar esses animais. Menos dor e sofrimento no planeta.

Finalmente, pra mim, no futuro, é como mediremos a eficácia das vacinas. Então, quero aprender. Estou adorando, e na volta ensino pra quem quiser.

Beijos gelados a todos.

Comente com o Facebook :

8 comentários:

  1. Realmente é uma ferramenta muito útil. Quero entrar nessa fila para aprender!

    ResponderExcluir
  2. Manda um abraço para o Marc, Cris.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal Cris, e tem ainda os dextrâmeros que são também bem eficientes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bah nem cheguei la ainda kelly, ainda to quebrando a cabeça aqui. mas quero botar uma mini-fabrica de 2W em Porto Alegre pra nós. bjo!

      Excluir
  4. Bem legal isso. E você fazendo não será afetada se o NIH tiver shutdown novamente. Kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nem me fala. ate o pubmed sofreu. ridiculo isso ne? os americanos nunca vao ter um presidente como o Obama de novo - e nao dao valor!

      Excluir

©SBI Sociedade Brasileira de Imunologia. Desenvolvido por: