BLOG DA SOCIEDADE
BRASILEIRA DE IMUNOLOGIA
Acompanhe-nos:

Translate

domingo, 17 de novembro de 2013

JOURNAL CLUB IBA: NOVO PAPEL DOS RECEPTORES DE ADENOSINA: MANUTENÇÃO E PROLIFERAÇÃO DE CÉLULAS T NAIVES



A adenosina é um nucleosídeo que possui diversas funções em sistemas biológicos, pois participa de reações de transferência energética do organismo (molécula que compõe o ATP e ADP), constitui os ácidos nucléicos presentes nas células, e por último, também possui um papel importante na sinalização celular mediada por quatro topos de receptores acoplados à proteína G presentes em diversos tipos celulares descritos: A1, A2a, A2b e A3. Algumas das funções e consequências relacionadas devido à interação da adenosina com estes receptores são demonstradas na literatura, principalmente no contexto de inflamação e hipóxia. Dentre estes receptores, o receptor A2a é descrito por ter efeitos anti-inflamatórios relevantes, observado principalmente pelo fato deste receptor induzir, quando ativado, um aumento de AMPc intracelular, possuindo propriedades imunossupressoras em células inflamatórias.  
O trabalho de Cekic et al. (2013) mostra uma nova função biológica para os receptores A2a, relacionada com a sobrevivência e proliferação de células T naives. Particularmente, é bem descrito na literatura que a manutenção e homeostase proliferativa do “pool” de células T naives são reguladas por dois fatores: a) interações do TCR destas células com moléculas de MHC (I ou II) apresentando peptídeos próprios; b) necessidade da atividade da citocina IL-7, que promove a maturação de células T e B. Porém, ainda não se sabia quais fatores permitem a manutenção de células T naives no estado quiescente, visto que estes sinais descritos promovem a ativação destas células, fazendo com que percam o fenótipo de célula T naive.



Figura 1 – Associação entre a interação da adenosina/ receptor A2a e sobrevivência e proliferação de células T naives.
 
Assim, no trabalho é demonstrado que a deleção do receptor A2a provoca efeitos signifcantes na manutenção e homeostase de células T naive, o que não é observado em células T de memória. A interação adenosina e receptor A2a promove a indução de Proteína quinase A (PKA) em resposta ao aumento dos níveis de cAMP.  Consequentemente, PKA inibe a fosforilação de AKT e a regulação negativa de CD127, efeitos mediados pela ativação do TCR ao reconhecer moléculas de MHC apresentando peptídeos próprios. Ainda, o estudo sugere que a expressão precoce de A2AR nos precursores tímicos contribui para a maturação dos timócitos, e na periferia, essa sinalização via A2aR é necessária para célula T naive garanta sua proliferação e sobrevivência, demonstrando um novo conceito imunológico relacionado ao papel da adenosina na homeostase de células T naives.
 

 Post de Raphael Sanches Peres e Denise Silveira (Doutorandos FMRP/USP-IBA).

Comente com o Facebook :

Um comentário:

  1. Por que as ultimas do blog nao mais aparecem no site da sbi?

    ResponderExcluir

©SBI Sociedade Brasileira de Imunologia. Desenvolvido por: